Americano criador de marca que virou febre entre negros participa da Feira Preta 2014, com apoio do consulado dos EUA

Os palestrantes que participaram do evento foram: Connie Lopes diretora do festival Black2Black do RJ, Fabien Anthony, Embaixador do Conselho Pan-Africano EUA e Adriana Barbosa, diretora e criadora da Feira Preta
Os palestrantes que participaram do evento foram: Connie Lopes diretora do festival Black2Black do RJ, Fabien Anthony, Embaixador do Conselho Pan-Africano EUA e Adriana Barbosa, diretora e criadora da Feira Preta

A edição de 2014 da Feira Preta, maior festival de arte negra no Brasil, aconteceu no Anhembi , em São Paulo, no começo dessa semana, e contou com palestra do americano Kumi Rauf, criador da marca “I Love Being Black”, que virou febre entre negros e tem mais de 6 milhões de seguidores no Facebook.

Participantes do evento exibem seus certificados de presença
Participantes do evento exibem seus certificados de presença

Rauf participou de um seminário com fundadores e diretores de diversos festivais afro-brasileiros e gerou polêmica ao questionar a legitimidade de festivais organizados por brancos. A marca “I Love Being Black” começou com a venda de camisetas em 2003 e acabou se tornando um movimento cultural e de moda voltado para negros. Segundo Rauf, o sucesso se deve ao fato de a marca ter sido criado por alguém que vivencia os problemas enfrentados pelos negros.

Entre os palestrantes estavam membros de festivais como o Festival de Arte Negra, de Minas Gerais; o Black2Black, do Rio de Janeiro; e o Latinidades, de Brasília, entre outros. Este ano a feira teve 100 expositores e um público de aproximadamente 18 mil pessoas, entre elas artistas, representantes de ONGs, jornalistas, intelectuais  e oficiais do governo engajados na questão da diversidade racial.

Há cerca de 10 anos o evento conta com a parceria do Consulado dos EUA em São Paulo, como parte das ações realizadas pelo governo americano para contribuir com a eliminação da discriminação racial no país.