Discurso da Cônsul Geral Jessica Simon no evento Diálogos de Comércio Exterior – Apex

A Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex-Brasil) promoveu, no dia 30 de novembro de 2020, a primeira edição do evento Diálogos de Comércio Exterior, voltada à Região Nordeste. O seminário online inaugurou uma série de encontros em que a Apex-Brasil reunirá participantes do setor público e privado para discutir o comércio internacional do Brasil em suas diversas regiões.

Confira abaixo o discurso da cônsul-geral Jessica Simon:

Bom Dia, é um prazer estar aqui. Gostaria de agradecer à APEX por organizar este evento importante. Também gostaria de reconhecer meus colegas do Itamaraty e do corpo consular. Gostei muito da apresentação de Silvio Meira.
É especialmente agradável compartilhar a tela com o Consul Geral Japonês, depois que nossos países lideraram o primeiro intercâmbio Trilateral entre Japão-Estados Unidos-Brasil, que aumentará a capacidade de nossas democracias de prosperar juntas como Estados soberanos e independentes.

O Consulado Geral dos Estados Unidos promove parcerias econômicas com o Nordeste há mais de 200 anos. Nossos oficiais da Seção Econômica e do Serviço de Comércio Exterior trabalham em estreita colaboração com a Embaixada dos Estados Unidos em Brasília e adidos que representam dezenas de agências governamentais dos Estados Unidos. Por meio de cooperação e comércio bilateral, promovemos boas práticas regulatórias, trocamos conhecimentos técnicos, compartilhamos as melhores práticas e promovemos o desenvolvimento econômico sustentável.

Estou muito impressionada com a economia vibrante do Nordeste. Em meu pouco tempo aqui, já explorei Pernambuco, viajei para a Paraíba e Rio Grande do Norte. Eu já conheci representantes de empresas americanas que trabalham na economia digital, inovação, energia renovável e infraestrutura. É animador ver grandes empresas americanas investindo no Nordeste.

Acreditamos que podemos fazer a economia dos Estados Unidos crescer por meio de um comércio bilateral dinâmico. Por esse motivo, a APEX é um parceiro fundamental. A APEX ajuda empresas americanas que desejam investir no Nordeste do Brasil, o que pode ajudar no crescimento dos negócios norte-americanos e desta região.

No outro sentido, espero que mais empresas brasileiras optem por investir nos Estados Unidos, porque somos um excelente parceiro – acreditamos que somos o melhor parceiro – para o desenvolvimento econômico e a prosperidade. E não se esqueça: nosso Serviço de Comércio Exterior está à disposição para ajudar as empresas brasileiras que desejam investir nos Estados Unidos através do programa SelectUSA.

Os Estados Unidos tem o objetivo de dobrar o comércio bilateral com Brasil em cinco anos.

Para ajudar nesse sentido, lançamos recentemente uma série de diálogos e acordos de alto nível – avaliados em mais de (R$ 11) onze bilhões de reais – para financiamento de investimentos e exportações.

É importante lembrar que a facilitação do comércio é fundamental para tornar mais fácil para as empresas dos Estados Unidos fazerem negócios no Brasil. Recentemente, uma delegação importante de alto nível manteve reuniões com líderes do governo brasileiro e setor privado.  Eles focaram na facilitação do comércio e ampliação do comércio bilateral e investimentos que geram maior prosperidade econômica para ambos os países.

Durante a mesma visita, o Brasil e os Estados Unidos anunciaram um protocolo histórico sobre Regras Comerciais e de Transparência, que ajudará a impulsionar o comércio e a criação de empregos nos dois países. O Protocolo atualiza o Acordo de 2011, que estabelece medidas para administração aduaneira, facilitação de comércio, boas práticas regulatórias e anticorrupção.

Em outros empreendimentos importantes, os Estados Unidos anunciaram dois projetos que beneficiam o Nordeste:

Primeiro, o nosso banco de desenvolvimento, o Development Finance Corporation, vai investir $140 milhões de reais numa mina de cobalto e níquel no Piauí que permitirá que a TechMet Limited, o operador, aumente a capacidade de produção.Segundo, empresas com lideranças femininas do Norte e Nordeste serão beneficiadas por um empréstimo direto de quase 2 bilhões de reais através de uma carta de interesse assinada com BTG Pactual.

Finalmente, ajudamos empresas brasileiras a adquirir tecnologia, equipamentos e ativos dos Estados Unidos ou outros fornecedores confiáveis, ajudando também a salvaguardar a inovação brasileira e promover investimentos conjuntos.  Isso através de um Memorando de Entendimento de (R$ 5,6) cinco vírgula seis bilhões de reais com o Ministro da Economia.

A Agência de Comércio e Desenvolvimento dos Estados Unidos (USTDA) tem apoiado projetos em toda a região Nordeste por meio de visitas técnicas aos Estados Unidos, estudos de viabilidade, e assistência técnica. Os projetos incluem infraestrutura de comunicações de banda larga, conectividade digital, serviços de governo eletrônico, smart grid, eficiência energética, água, saneamento, aeroportos, sistemas de transporte inteligentes, entre outros. A agência também treinou representantes dos governos estaduais da região Nordeste com as melhores metodologias de aquisição baseadas em valor.

O grupo de trabalho de Americas Cresce  é para fomentar investimentos em infraestrutura do setor privado.  Vemos este grupo de trabalho como um mecanismo para mobilizar capital privado para apoiar projetos de infraestrutura.  Por quê os Estados Unidos promove investimento privado na infraestrutura? Porque é necessária para criar empregos, compartilhar as melhores práticas regulatórias, e crescer a economia.

Por meio de cooperação e comércio bilateral, promovemos boas práticas regulatórias, trocamos conhecimentos técnicos, compartilhamos as melhores práticas e promovemos o desenvolvimento econômico sustentável.

Queria volar ao tema de Silvio Meira, a transformação digital.

Estamos orgulhosos de contar com o Brasil com quase (50) cinquenta Países Limpos, mostrando que é um país amante da liberdade e parte de um grupo seleto que se compromete a usar apenas fornecedores confiáveis em suas redes 5G.  O Brasil está incluído num grupo que representa 31 dos 37 membros da OCDE.

Essa questão é cada vez mais importante quando tantas empresas norte-americanas optam por investir no Nordeste, com data centers, economia criativa e centros de inovação.

A empresa americana Seaborne está trabalhando com o estado de Pernambuco, investindo numa conexão de cabo submarino de fibra óptica, com um data center em Recife. A extensão do cabo será verdadeiramente transformadora para a região.  Aumentará a velocidade e a produtividade dos dados, e impulsionará o desenvolvimento econômico e tecnológico. Com a chegada do 5G haverá um crescimento exponencial em áreas como inteligência artificial, agricultura, redes inteligentes e cidades inteligentes. Para uma região que já se destaca pelos polos médicos, logísticos e de tecnologia, também será um grande atrativo para empresas internacionais.

As empresas americanas consideram a segurança digital ao avaliar onde investir. Se os governos estaduais e locais se concentrarem em práticas de gestão sólidas para facilitar os negócios e atrair investimentos, as empresas americanas ficarão mais propensas e interesadas a expandir seus negócios nesta região.

Os Estados Unidos apoiam o Brasil em nosso compromisso compartilhado com o meio ambiente, através do Diálogo da Estrutura Ambiental Brasil-Estados Unidos assinado no dia 10 de novembro. Este é o exemplo mais recente de como se pode proteger o meio ambiente e aprimorar nossas economias de uma maneira responsável.

Temos um compromisso compartilhado com a democracia, os direitos humanos, a inclusão social, a diversidade em todos os níveis e para todas as pessoas (mulheres, afrodescendentes, comunidade LGBTI, pessoas com deficiência -todos). Estamos felizes em trabalhar e apoiar pequenas empresas e empreendedores, bem como multinacionais para ajudar a desenvolver uma economia aberta, diversa e dinâmica para a prosperidade do Brasil e os Estados Unidos.