EUA apoiam iniciativa de combate à desinformação em escolas públicas

Projeto piloto em SP agora irá para outros estados 

 

Segundo um relatório divulgado recentemente pela Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), 67% dos estudantes brasileiros de 15 anos não conseguem diferenciar fatos de opiniões quando fazem leitura de textos. Para ajudar a mudar essa realidade, a Embaixada e os Consulados dos EUA no Brasil, por meio do seu Edital Anual de Projetos, estão apoiando financeiramente o desenvolvimento da matéria eletiva “Informação e (Des)informação” como parte do programa Escola da Cidadania Ativa, que oferece apoio a professores e Secretarias Estaduais de Educação na implementação do Novo Ensino Médio. O projeto conta ainda com o apoio técnico da Lupa Educação, do Instituto Palavra Aberta – Educamídia, e do Instituto de Tecnologia e Sociedade do Rio.

Iniciativa do Politize!, organização da sociedade civil que busca formar cidadãos conscientes e comprometidos com a democracia, a eletiva tem como objetivo preparar cidadãos que possam atuar no combate à disseminação de notícias falsas. “Queremos levar às escolas uma formação cidadã para jovens estudantes que serão protagonistas nas suas comunidades e poderão influenciar ativamente a construção de uma sociedade mais democrática, independente da carreira que queiram seguir”, explica a gestora do programa no Politize!, Kamila Silva.

Implementada em caráter piloto, a eletiva já foi aplicada em seis municípios de São Paulo – num total de oito instituições de ensino e 20 turmas, com 600 estudantes, além da formação de 23 professores – e estará disponível para os estudantes do estado a partir do segundo semestre de 2021. Além de São Paulo, as Secretarias Estaduais de Educação de Sergipe e Mato Grosso também já estão com parcerias formalizadas para levar os conteúdos da “Informação e (Des)informação” aos seus professores e estudantes. O material é sempre adaptado à realidade local de onde for adotado, buscando versões que conversem com as especificidades dos currículos estaduais, e todas as etapas são implementadas sem qualquer custo para as Secretarias, escolas ou professores.