Transcrição das Palavras do Vice-Secretário de Estado dos EUA, John J. Sullivan No Fórum Brasil-EUA Permanente sobre Segurança

Obrigado por (inaudível) e obrigado a você e a todos os distintos colegas no governo brasileiro por participarem hoje deste importante Fórum de Segurança.

Agradeço por sua hospitalidade, por sua colaboração dedicada em tornar este Fórum em realidade e, finalmente, por compartilhar de forma tão generosa seu conhecimento e competência nesses temas tão importantes.

Os desafios de segurança enfrentados hoje por todas as nações são cada vez mais complexos e internacionais e tratá-los requer uma resposta igualmente complexa e internacional. Uma cooperação bilateral permanente, estratégica e intensa em questões de segurança é a única forma com que podemos combater ameaças que atingem mutuamente o Hemisfério Ocidental e o mundo — ameaças que enfrentamos tanto nos Estados Unidos como no Brasil.  

Dois anos atrás, nós nos unimos – como mencionou o secretário-geral, para garantir que as Olimpíadas do Rio de Janeiro pudessem acontecer em um ambiente seguro. Aquele evento nos mostrou o quão bem-sucedidos podemos ser quando colegas do setor de segurança pública trabalham juntos para tratar de desafios compartilhados.

Estamos entusiasmados em trabalhar com o Brasil para buscar formas de lidar com tais desafios conjuntamente. O Fórum como um todo está voltado para o lançamento de uma nova e ampla plataforma de cooperação que irá identificar meios concretos de tratar dos desafios mútuos de segurança.

Acima de tudo, acreditamos firmemente que o Fórum não deva ser um mero palco de conversações.Concordamos que precisa ser cooperativo, operacional e mostrar resultados.

Juntos, temos a oportunidade de rever nossos programas em andamento, considerar meios de aprofundá-los e concluir acordos pendentes, como discutimos anteriormente hoje. É importante assegurar que não deixamos nada para trás ao movermos adiante e coordenar internamente com nossos respectivos governos.

Devemos usar este Fórum para acordar sobre os programas em andamento aos quais podemos dar continuidade e explorar novas possibilidades de cooperação, determinando conjuntamente quais questões devem ser passadas aos grupos de trabalho para acompanhamento.

Como o Fórum de Segurança será um espaço operacional, nós recomendamos uma abordagem de força-tarefa entre agências, para cada uma das prioridades temáticas.

Também recomendamos uma abordagem colaborativa entre agências para tratar das questões transversais que possam surgir como resultado do nosso trabalho tático. O Fórum vai incorporar temas que incluem: a cooperação geral em segurança, o compartilhamento de informação e inteligência, soluções tecnológicas para os desafios de segurança, segurança de fronteiras, contraterrorismo, segurança cibernética, corrupção, lavagem de dinheiro e o crime organizado transnacional, como o tráfico de armas e de pessoas. A lista é intimidadora, mas nós a  enfrentaremos juntos e nos tornaremos mais fortes por enfrentá-la juntos.

A prioridade do governo Trump é aumentar o compartilhamento de inteligência e informação com parceiros como o Brasil para acabar com organizações criminosas transnacionais e organizações subsidiárias, além de aprimorar nossas respectivas capacidades operacionais e cooperação. Trabalhando juntos, podemos alcançar um progresso real. Estamos fazendo isso agora, começando com esta reunião, à medida que identificarmos as áreas para cooperação e programas específicos para implementar e construiremos  sobre essa cooperação no futuro.

Uma tarefa-chave será identificar oportunidades de cooperação a longo-prazo, definir quais grupos ou forças-tarefas permanentes fazem sentido e recomendar ações específicas para acompanhamento.

Mais adiante, precisaremos também expandir nossa cooperação bilateral para incluir, quando apropriado, parceiros regionais para, juntos, tratarmos de vulnerabilidades e redes ilícitas que afetam o hemisfério.

Portanto, ao iniciarmos este Fórum, quero reiterar meus agradecimentos ao senhor, secretário-geral, e a seus colegas no governo brasileiro, por se reunirem neste Fórum e tratar desses importantes assuntos. Nós, nos Estados Unidos, somos muito gratos.